Pintura abstracta




Desenhei o teu corpo em papel com vista para o silêncio, ou se preferires, com o som das vozes perdidas dos velhos amores, saudadas por lençóis de puro linho nunca servidos, abertos sob janelas cobertas de musgo e nas varandas em ruínas de velhos casarios, em becos e ruas arrojadas mas sombrias, de lajes brilhantes mil vezes trilhadas mas nunca sentidas.


Desenhei-o porque não o soube esculpir. Esbocei-o incoerente, sem carne e sem nome, sem sangue e sem vida, com suor à mistura e cenas de nudez a contraluz e deixei que corresse ao vento, na continuidade do nada que aprisiono no peito e tatuo na pele, com a urgência habitual de quem tudo quer nada querendo. Foi (uma vez mais) um crime exemplar: Tu ficaste inacabado e cruel. E eu desejo-te com uma intensidade que dói!...






4 comentários:

AC disse...

Que maravilha!

Beijo :)

Paulo V. Pereira disse...

gosteiiii|

quanto pesa o vento? disse...

"com o som das vozes perdidas dos velhos amores"
tão bonito...
boas escritas:)
abraço.

Lúcia Machado disse...

Gostas de coisas práticas, confortáveis e com um toque de glamour?
Curiosa? :-)

Espreita em:
http://made4you-butterfly.blogspot.com/

ou no facebook:
http://pt-pt.facebook.com/people/Made-You-Made-You/100002333586927

Vais gostar :-)

 
©2009 Amêndoa Amarga | by TNB