Recusa

.
.

.
.
.

Recuso-me procurar-te no vazio
que não me abre as mãos
nem me beija as feridas
que as minhas unhas teceram
na fúria da tua ausência

Recuso-me desejar-te
na frivolidade dos passos
que não reconheço
e que não me devolvem
o gosto acre do sangue
que de ti guardo no meu silêncio
ou o cheiro que se colou na pele e na carne
em que louco te saciaste

Meu amor, se eu não soubesse
que me perdi no teu mundo
Na hora em que apagaste todas as luzes
Talvez ainda hoje me alimentasse
dos dias e das noites vestidos de fogo e calor
centelhas incertas de luz
isentas de amor

Recuso-me procurar-te no vazio de nós
.
.
.

4 comentários:

Paulo Vasco Pereira disse...

Excelente!

Laura disse...

Belíssimo!

continuando assim... disse...

convite para seguir a história de Alice, lá no
--- continuando assim... ---

bj
bom fim de semana
teresa

joão marinheiro disse...

Gosto!
beijo salpicado de mar

 
©2009 Amêndoa Amarga | by TNB