Madrugada



Agasalho-te agora
do inevitável frio da noite
num aflorar sentido
do verbo imperfeito
e imortal.


Adivinho-te no grito
que clama saudade
e mágoa.

Afago-te o rosto
percebo-te a voz
bebo-te o pranto
sinto-te perto
e a tua pele, viva
cola-se-me ao coração.

Abraço-te na tela
desbotada do tempo
guardado em nós
retrato eterno
onde te beijo
e roubo para mim
a dor que te desfaz…

Porque és
minha eterna madrugada.

10 comentários:

Frederico Almada disse...

Crystal!

Sinto-me culpado pelo poema que acabo de ler, sinto-me culpado pelo belíssimo poema que brotou da tua pena e bendigo as palavras que escrevi para ti, dizendo que deverias escrever não apenas em prosa mas também em verso e, porque o seu fruto ultrapassou de longe as minhas expectativas.

Um beijo

Eric All

Lúcia Machado disse...

Gosto mt de passar por aqui, mesmo sem comentar...
Fica na alma a sua poesia...

Obrigada

Nuno de Sousa disse...

Lindo momento de escrita, belo poema boa foto Crystal. Bjs
Nuno

De Amor e de Terra disse...

...e porque aos olhos da Madrugada
nada é impossível, serão teus todos os sentimentos, para os dares a quem e como quiseres.

Bj.
Maria Mamede

M. disse...

E guardou toda a luz da madrugada numa tarde apenas, com todo o aroma do tempo que tornara instrumento da sua arte.

Pinipom disse...

lindo

palavras mágicas e belas...

bela poesia!

beijo solto

Lira

Laura disse...

Bela escrita e bela imagem...

sagher disse...

UM POEMA, que mais se pode dizer?

Paradoxos disse...

dizer que é um poema de encanto em cada canto e frase!! - sim UM POEMA.

Edu

Jorge Bicho disse...

Doi de tão lindo. amo este poema.
beijos
JB

 
©2009 Amêndoa Amarga | by TNB